sábado, 1 de outubro de 2011

Filme "Tempos Modernos"

Esta semana foi a última de exibição do filme “Tempos Modernos” de Charles Chaplin. Assistimos na segunda-feira dia 26 na turma “Minas Gerais’ O filme foi importante para compreensão da sociedade industrial, o trabalho mecanicista e alienado do proletariado, a substituição da máquina pelo homem, o estilo burguês de viver, etc., temas estudados neste 3º bimestre.

 As Referências Curriculares do 7º ano não condiz com o conteúdo do livro dos alunos, portanto na falta de um material didático de apoio é necessário trazer imagens e vídeos para melhor aprendizagem dos alunos.

 O filme “Tempos Modernos” assim como os outros filmes de Chaplin utiliza-se da sátira para analisar a sociedade industrial dos anos 30 nos Estados Unidos. Foi muito divertido e interessante saber que o bom humor, a piada não tem limites de geração e nem de tempo, pois os alunos adoraram o filme e compreenderam as questões referentes à sociedade industrial antes debatida em sala de aula. Aprender através de piadas também é proveitoso, “a piada é um sinal, indício, um sintoma de como as sociedades se representam” (SALIBA, Elias Thomé. In: Humor na História. Revista História Viva. Dez de 2003).
No filme o tempo todo a piada é usada para mostrar a situação socioeconômica de penúria dos operários e a desumanização do trabalho durante a Grande Depressão.



Já no começo do filme os trabalhadores são comparados a ovelhas através do jogo de imagens realizado pelo filme. Os operários assim como as ovelhas são uma produção em massa criados para obtenção do lucro.

Na fábrica predomina a linha de produção ou produção fordista, que consiste numa linha de montagem acoplada à esteira rolante para evitar o deslocamento do trabalhador, assim o trabalho do operário transforma-se numa atividade monótona e repetitiva com velocidade e ritmo independente do trabalhador. Com o advento da indústria o tempo da natureza foi substituído pelo tempo da máquina e o homem sendo substituído por ela, fazendo parte da produção como uma parte da linha de montagem. O Chaplin critica a desumanização do trabalho nesta sociedade, pois o trabalho mecanicista não desenvolve o intelecto do operariado ao contrário torna-o alienado e louco, como demonstrou Chaplin quando o personagem sai pela fábrica fazendo o movimento repetitivo a qual ele ficou condicionado.

Outro aspecto apresentado pelo filme e também bastante discutido em sala de aula foi o controle do trabalho pelo capitalista ou burguês, através das engenhocas tecnológicas, muitas até de ficção para época do filme, era capaz de controlar até o tempo de descanso e interferir no horário do almoço, pois como diz o ditado “tempo é dinheiro”. Pensando nisso, mais uma engenhoca é mostrada no filme para reduzir o tempo do almoço e consequentemente aumentar o tempo da produção.

A idéia do fast-food, alimentação rápida usada nos restaurantes hoje, vieram do fordismo, da utilização de meios que garanta a produção em massa visando o lucro. Assim, o trabalhador é desconsiderado na sua natureza humana e comparado ao uma engrenagem. O momento em que o personagem entra máquina e mistura-se com o maquinário é o melhor para representar esta realidade, o homem é engolido pela máquina, pelo sistema econômico industrial que dilacera o seu cotidiano, a sua vida.

Ao trabalhador que não aguenta, ou melhor que não se conforma com o trabalho, não se conforma em ser uma engrenagem e viver em péssimas condições de trabalho cabe ser perseguido e considerado um subversivo por estar lutando pelos seus direitos porque a realidade da época enquadrava o grevista como uma pessoa contrária a realidade imposta, não se enquadra as regras do trabalho, não se enquadra as leis é considerado um bandido e tem que ser preso.

Mas, apesar da desumanização do trabalho e dos problemas socioeconômicos existentes como fome, desemprego, falta de moradia digna – o filme compara o modo de vida burguês, a moradia de uma sociedade da classe média e a realidade da moradia dos operários – existe uma chance de ser feliz e para o personagem Charlot a felicidade é encentrada ao lado da moça e com ela sonha-se a construção de uma família. Como disse Chaplin no começo do filme: “Tempos Modernos é uma história sobre a indústria, a iniciativa privada e a humanidade em busca da felicidade” Estes aspectos aqui discutidos são importantes para relembrarmos e aprofundarmos nosso conhecimento. O site educacao.aaldeia apresenta cinco pontos importantes de análise:

1. A desumanização do trabalho puramente mecanicista.
2. O trabalhador como ser humano e não como um mero objecto.
3. O desemprego como degradação do Homem.
4. A injustiça como semente de revolta.
5. A família, um fator fundamental da realização pessoal.

Os alunos do sexto ano após antes de assistirem o vídeo, copiaram textos sobre o conteúdo trabalhado no filme, analisaram e discutiram os textos, realizaram atividades, tomaram conhecimento sobre a biografia de Charles Chaplin e sobre o filme e posteriormente a exibição do filme realizaram a seguinte atividade:

1)Observar e descrever as seguintes cenas do filme:
a)O trabalho do proletariado.
b)Os movimentos Operários.
c)O modo de vida burguês.
d)O modo de vida do operário.

Existem vários sites sobre o filme “Tempos Modernos”, destaco alguns para vocês lerem:
telacritica.org
historianet

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário